Skip to content
Anúncios

“Esta é, por certo, a terra que buscais” – Luís de Camões

Vasco da Gama ouve o piloto oriental, 1907-1908, José Malhoa

Vasco da Gama ouve o piloto oriental, 1907-1908, José Malhoa (Pintor e desenhista português, 1855-1933), óleo sobre tela, 198 x 238 cm, Museu Militar (MM), Lisboa

Pintura de José Malhoa (1855-1933), representando o piloto árabe, embarcado em Melinde, apontando a Índia a Vasco da Gama. A frota de Gama saiu de Lisboa, em direção à Índia, em 8 de julho de 1497. Melinde era “o porto mais concorrido do Oceano Índico e ali Vasco da Gama encontrou o piloto árabe que o conduziu a Calecute e a quem alguns cronistas chamam Melemo Cana, de seu verdadeiro nome Ahmed Mesjid, de alcunha El-Melindi”.

Já a manhã clara dava nos outeiros
Por onde o Ganges murmurando soa,
Quando da celsa gávea os marinheiros
Enxergaram terra alta, pela proa.
Já fora de tormenta e dos primeiros
Mares, o temor vão do peito voa.
Disse alegre o piloto Melindano:
“Terra é de
Calecu, se não me engano;

Esta é, por certo, a terra que buscais
Da verdadeira Índia, que aparece;
E, se do mundo mais não desejais,
Vosso trabalho longo aqui fenece.”
Sofrer aqui não pôde o Gama mais,
De ledo em ver que a terra se conhece:
Os joelhos no chão, as mãos ao Céu
A mercê grande a Deus
agradeceu.

(Luis de Camões. Os Lusíadas. Canto VI, estrofes 92 e 93)

Anúncios