Skip to content
Anúncios

Existem pequenas percepções inconscientes – Leibniz

Existem mil indícios que nos levam a julgar que temos, a cada momento, uma infinidade de percepções, mas sem apercepção e sem reflexão – ou seja, modificações na alma das quais não nos damos conta porque as impressões são ou muito pequenas ou muito numerosas ou muito próximas, de modo que não se consegue distingui-las senão parcialmente; apesar disso, não deixam de fazer sentir os seus efeitos e de se fazer sentir ao menos confusamente em seu conjunto.

Gottfried Wilhelm von Leibniz, 1646-1716Dessa maneira, o hábito faz com que não prestemos atenção ao movimento de um moinho ou a um jato de água, quando ficamos na sua vizinhança por algum tempo. Não é que esse movimento não continue atingindo os nossos órgãos e que não aconteça algo na alma que responde por eles, devido à harmonia da alma e do corpo; mas essas impressões que estão na alma e no corpo, desprovidas da atração da novidade, não são fortes o bastante para chamar a nossa atenção e a nossa memória, atraídas por objetos mais interessantes.

De fato, toda atenção exige memória e, muitas vezes, quando não somos avisados, por assim dizer, para prestar atenção a alguma das nossas percepções presentes, deixamo-las passar sem refletir e também sem notá-las; mas se alguém logo depois nos avisa e nos faz reparar em algum ruído que se ouve, lembramo-nos dele e damo-nos conta de tê-lo percebido um pouco antes. Assim, existiriam em nós percepções das quais não nos apercebemos imediatamente, derivando a apercepção apenas da advertência após um certo intervalo, por menor que ele seja…

Nunca se dorme tão profundamente que não se tenha alguma sensação – mesmo que fraca e confusa – e nunca acordamos com o maior barulho do mundo se não tivéssemos a percepção do início desse barulho, por menor que fosse, assim como nunca se partiria uma corda com o maior esforço, se não fosse estendida e alongada ao menos um pouco por meio de esforços mínimos, ainda que a pequena tensão que estes provocam não se manifeste.

Essas pequenas percepções, pelas suas consequências, são, portanto, de eficácia maior do que se pensa. São elas que formam aquele não sei quê, aqueles gostos, aquelas imagens das qualidades dos sentidos, claras no seu conjunto, mas confusas nas suas partes, aquelas impressões que os corpos externos provocam em nós e que encerram o infinito, aqueles vínculos que todo ser tem com todo o resto do universo.

(Gottfried Wilhelm von Leibniz, 1646-1716. In: Novos Ensaios sobre o Intelecto Humano. Citado por Ubaldo Nicola. Antologia Ilustrada de Filosofia. Editora Globo, 2005)

Ilustração: Gottfried Wilhelm Leibniz, c. 1700,  Christoph Bernhard Francke (-1729), Herzog-Anton-Ulrich-Museum, Braunschweig
Anúncios