Skip to content

Os judeus e sua estética da palavra

Moses with the Tablets of the Law, c. 1624, Guido Reni

Moses with the Tablets of the Law, c. 1624, Guido Reni (Italian Baroque Era Painter, 1575-1642), oil on canvas,  Galleria Borghese, Rome, Italy

Qual é, afinal, a ideia de estética no judaísmo? No final das contas, você constatará que nem a estética anicônica nem a visual estão implicadas no cerne das respostas estéticas judaicas à beleza do mundo. A resposta a essas perguntas reside, em vez disso, no que você gostaria de chamar a “estética da palavra” da cultura judaica, isto é, em sua singular atenção à letra, à palavra, em sua reverência pela materialidade delas — a beleza divina inscrita em cada letra do alfabeto hebraico — e em sua capacidade de simbolizar e, consequentemente, de criar beleza ao relacionar-se com o sagrado.

(…) A estética da cultura judaica como estando baseada unicamente no livro, e não no visual. (…) para fazer a mediação entre o existente e o transcendente, para conotar tanto a beleza material divina quanto o sublime espiritual em seu escopo religioso, mas também estético. A unidade da beleza material divina e do sublime espiritual só pode se inscrita no que fundamentalmente excede a qualquer ídolo estritamente material — a letra hebraica, a própria palavra hebraica.

(…) O que foi e permaneceu distintivo é a estética da palavra. (…) resultado de sua atenção e reverência inatas pela letra, pelo divino inscrito na materialidade da palavra, a cultura judaica foi, desde o início dos tempos bíblicos até a era do pós-Holocausto, singular. (…) todas as imagens visuais permaneceram estritamente subservientes à materialidade da palavra divina.

(…) A história de sucesso da moderna literatura hebraica (…) deu continuidade a uma antiga tradição baseada na estética da palavra. 

(“’O Charme é enganoso, e a beleza é vã’: Reflexões sobre o Judaísmo e a Estética”. Amir Eshel, Stanford Univesity. Trad. Luís M. Sander. In: Ética e Estética. Editor Denis L. Rosenfield. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001, pp. 166-175)