Família

Brasão SantosGilson Santos coordena um Projeto de Genealogia e História Familiar do qual fazem parte também outros da família. A seguir, alguns poucos textos, os quais constam de um acervo mais amplo. Para contatos, clique aqui.

 “E agora, José?” – Um recorte histórico, em forma de crônica familiar, na qual o autor percorre uma sucessão “joseense” em sua ancestralidade patronímica.

 Entre duas velhas pontes da Região Maronesa – Texto no qual se situa a região de origem da Família Santos na margem esquerda do rio Tâmega, entre os concelhos de Mondim de Basto e Amarante.

 A Porta de Entrada do Marão – “Ao lado ocidental do Marão, o núcleo de Aboadela era a porta de entrada, constituindo-se no principal ponto de acolhimento, apoio e informação para quem chegava àquela paisagem de montanha.”

 Aboadela e a Antiga Via do Marão – “Na Serra do Marão, a principal via utilizada para a transposição tinha um traçado entre Amarante e Vila Real, e o troço entre Aboadela e a Veiga da Campeã era ‘a parte mais acidentada do percurso’, tendo a via de vencer um desnível de cerca de oitocentos metros”.

 De Aboadela para o Centro-Norte Fluminense – “Tornou-se dinâmico o fluxo de notícias, informações, pessoas e familiares entre Aboadela e a região Centro-Norte Fluminense, onde estavam as principais fazendas da Família Clemente Pinto, em especial do Barão de Nova Friburgo e de seus descendentes.”

 Quatro caminhos que aprendi com meu pai – “Apesar de suas lutas, meu pai me ensinou quatro caminhos. Estes têm sido os quatro caminhos mais importantes da minha vida.”

 Há um ano, vi você partir… – Nadir Santos – “Com sofrimento e dor, que jamais podia imaginar sentir em minha vida outra vez, após a morte de meu pai, vi você sendo entregue à terra…”

 Derrubada de uma Floresta – Johann Moritz Rugendas

 Rio Paraíba do Sul – Johann Moritz Rugendas

OUTROS

 Lar: Centro de Significado e Fundamento da Identidade – “A associação entre a existência e a identidade pessoal está amarrada ao senso de lugar e à sua constituição.”

 “Criança”, leia! – “Não se tira um livro da mão de uma criança. Se for necessário, negocia-se uma troca, uma substituição.”

 Da lima-da-Pérsia ao “Meu pé de Laranja Lima” – “Limas, livros e boas amizades. Num tempo de reveses, é sempre bom ter algo que torne a vida mais doce.”

 Escolares de Albert Anker – “Tendo se dedicado a retratar o cotidiano rural e aldeão do século XIX, Anker tem sido chamado de ‘pintor nacional da Suíça’.”

 As “piadas de sogra” estão perdendo a graça para mim – Gilson Santos

 Flor do Ermo – Gilson Santos

 Quando se vai um filho criado na graça – Charles R. Swindoll

 Filhos na Era do “Amor Líquido” – Zygmunt Bauman

 Titus van Rijn – Rembrandt

 Mãe e Filho Junto ao Mar – Jozef Israëls

 Filhos: Sonoro Recado de Deus

 Não fui apenas uma vítima – Gilson Santos

 Eugène Manet e Julie – Berthe Morisot

 “Cena do Massacre dos Inocentes” – Léon Cogniet

 A Emergência do Senso de Identidade na Primeira Infância – Papalia, Olds & Feldman

 O Julgamento do Rei Salomão

 Timóteo e Sua Avó – Rembrandt

 Infância – Carlos Drummond de Andrade

 Um Amanhecer sem Esperança – Frank Bramley

 Até o Fim da Vida – Autor Desconhecido